Na Cidade (#1)

A parede, os muros, a cidade cinza, pálida, suja, grosseiramente ornada de lâmpadas de tungstênio, de mercúrio, de hidrogênio e hélio que a iluminam, que jogam suas sombras para os cantos, que tentam fingir que não há ali nenhum sujeira.

A cidade olha para ele. Mais do que olhar, a cidade me encara e me avalia, de cima a baixo, dos tênis velhos ao boné surrado. Dos jeans um número maior a barba inadequada e torta, cheia de falhas.

Os pés se arrastam, seguindo o mesmo caminho pisado diariamente, o mesma trilha na qual se arrastam milhares como ele diariamente, na qual se arrastam vontades, se arrastam amores, se arrastam famílias, se arrastam os dias.

Por nenhum motivo em particular ele olha para os lados dessa vez, está sobre uma ponte, sobre algum tipo de viaduto (O que diferencia uma ponte de um viaduto ele nunca soube) e vê lá embaixo carruagens e lordes apressados em seus caminhos. Ele vê que todos seguem os mesmos caminhos, a pé, em carros, em onibus ou trens, sempre as mesmas trilhas. Sempre as mesmas estradas, sempre as mesmas vias, as mesmas veias e artérias. Então ele olha para cima.

O céu é azul, as lâmpadas não iluminam o céu, os postes só olham para o chão, as pessoas só olham para o chão (afinal sempre disseram que era importante manter os dois pés firmes no chão), então ele estanca, não sem causar uma pequena comoção, atrapalhar o tráfego das pessoas apressadas e em seus horários, e olha, calmamente o céu azul, e ao poucos quase instantaneamente sua mente vai ficando em branco, os problemas somem, as dívidas somem, as promessas não cumpridas somem, aos poucos suas costas se lembram como é ficar completamente na vertical, sem sentir os anos pesaram ali, sem sentir as vidas que os outros acham que ele deveria ter pesando ali e ele respira fundo.

O ar ainda é viciado, mas ele começa a se lembrar de cheiros, de pequenos cheiros gostosos. A fumaça que sai dos ônibus, o café do bar, o pão no mercado, o queijo recém cortado dois andares acima, algo queimando no cigarro enrolado em palha de milho de seu tio-avô, o cheiro da sua madrasta, a comida da sua esposa, os cheiros dos céus chegam até ele, devagar ele vai levantando as narinas puxando a corda invísivel daquele show de marionetes, aos poucos inflando cada vez mais o espírito.

Os pés já não doem mais, os braços estão largados junto ao copor, o coração toca como uma pequena banda de nyabinghi, a respiração é como a de um trem parado na estação, como um gato dormindo sobre o sofá, como uma criança que não conhece os pecados do mundo, os sons, os cheiros, os gostos da cidade se esvaem de suas sombras e o preenchem. Ele sabe que ainda há sombras, que ainda há escuridão e sujeira, que ainda há dor, que ainda há muita coisa ruim, ele sabe na verdade de cada uma dessas coisas, ruins, mesmo as indiziveis, mesmo as invisiveis, mesmo as que acontecem com as não pessoas que a cidade expulso para suas margens, ele sabe de tudo isso, e sabe que tudo isso começa da mesma maneira que o congestionamento abaico e aos lados dele, que tudpo começa porque todos usam os mesoa caminhos, que todos usam caminhos pré tralados, pré estabelecidos.

Ele dá um passo para o lado, a mochila cai, derrubado por um senhor de terno apressado que não olha para trás, ele não olha, não se importa, não está mais ali, ele trocou de caminho, ele se perdeu para a cidade, para os mapas, para as rotas, para ele mesmo, e espera, um dia, se encontrar.

Um dia a cidade não será a cidade que o encarará, mas ele que encarará a cidade, conhecendo seus segredos e imoralidades, suas virtudes e pecados, um dias não importando quantas lâmpadas acendam, ele vai saber onde estão as sombras. Porque ele não mais as teme, mas também não as abraça, ele simplesmente esolheu outra via, ele escolheu outra via. Ele escolheu a própria via.

Anúncios

A jornada do herói pt 3 (ou Eu sou Spartacus e terei a minha vingança nessa vida ou na próxima)

E aí pregos, belezera?

Terceiro e ultima parte da nossa jornada sobre a jornada do herói. Então antes vamos a um recapitula?

Começamos falando sobre Joseph Campbell e sua esquematização dos mitos, criando uma fôrma sobre todas as grandes histórias épicas, o Syd Field pegando essa forma e esquematizando isso em um roteiro e minha querida Maritê comparando isso tudo com as cartas de tarô. E por fim peguei o exemplo do seriado Spartacus para me fazer entender melhor.

E onde paramos na história do nosso querido gladiador que liderou a maior revolta de escravos da república romana e dando uma puta dor de cabeça para todo mundo, e criando um mito gigantesco.

Antes de continuar fazer uma pequena definição de mito: O mito é uma história simbólico que serve para dar lastro para algum aspecto cultural relevante para uma sociedade; em geral os ritos, práticas, hábitos de uma sociedade. Ou seja: quando a gente olha um mito a gente olha uma sociedade se auto explicando, se auto justificando e se construindo. Um mito fundador, como Romulo e Remo, serve para fazer os Romanos se entenderem como algo além de uma tribozinho de merda que vivia sendo saqueada pelos etruscos; a Ilíada e a Odisséia servem para os gregos se entenderem como um único povo, derivado de semi deuses e capazes de vencer a civilização mais avançada até então; o mito da fuga do Egito serve tanto para criar a terra prometida quanto para dar lastro divino para as leis básicas, o mito da vida do messias cristão serve para criar uma nova forma de entender as velhas leis judaicas. Cada um desses mitos serve para criar novas práticas, para fundar novas sociedades, para criar uma nova forma cultura para esses povos se organizarem em volta.

Mas Spartacus não é um mito, ele aconteceu! É um fato! Realmente é um fato histórico a existência de um escravo gladiado que foi um dos líderes de uma revolta des escravos. Ele pode ter sido trácio (ou pode só ter sido um gladiador do tipo trácio), ele pode ter sido um soldado (ou um ladrão, um mercenário, ou qualquer merda assim), ele pode ter sido fomentado a revolta (ou apenas entrado nela e acabado liderando), mas é praticamente só isso. Não se sabe como ele fez para juntar os escravos, qual era a ideologia desses escravos, o que ele pretendia, qual era o projeto político (se ele tinha) dessa revolta. Não se sabe como ele era, o que queria, se ele amava, de onde veio nem o que queria. Tudo isso é criado, inventado, mitológico. E o que ele respresenta? vamos a terceira parte.

Agora ele ganhou a luta principal e de quebra virou campeão dos gladiadores, virou o maior do de todos. Ganhou tanto dinheiro e está num situação tal que consegue o que ele mais queria: sua mulher de volta! E agora josé, ele vai lutar pelo que? o que aconteceu quando um herói tem tudo o que ela queria? isso acontece:

Coisas grandes e infelizes

Esse é o meio da jornada. Não tem volta daqui, ele abandona as esperanças vãs de voltar a onde estava e ser quem era. Tudo mudou, e ele mudou junto. Não é possível mais voltar a uma casa pequena com uma varanda, fingir que nada aconteceu e tocar em frente. Sura está morta, e o homem que Spartacus era morreu junto com ela. Agora ele tem duas opções: Ou abandona a vida, ou abraça o que está passando e tenta sair vivo do outro lado. Ele, obviamente, escolhe a segunda.

E assim se torna o que todos sempre quiseram que ele fosse (e o que seu dono orquestrou para que se tornasse): uma máquina assassina, um destruidor de homems, um deus das areias. Ele abandona sua vida de trácio e se torna Spartacus, o que trouxe a chuva.

A partir disso temos poucos fatos de grande nota, a não ser, é claro, pelo segundo ponto de virada, aquele que vai encaminhar a série para seu fim, que vai transformar o mero gladiador em heróir, que vai increver o nome de Spartacus na história.

Nem sempre se tem opções


Antes é necessário voltar ao começo e estabelecer os seguinte: todo mundo tem um sidekick, um coadjuvante, um ajudante na sua jornada. O de Spartacus é Varro. E eles não poderiam ser mais diferentes. Varro é romano, gladiador por opção (kind of), sua mulher vive ali perto e bem, tem filhos, nunca foi soldado e é bem humorado. Ele serve como uma ponte para Spartacus (e para o espectardor) entender os costumes, as festas, os hábitos romanos. é ele quem explica que Spartacus pode ganhar dinheiro sendo escravo, para que servem as festas, as lutas e cada um dos pequenos hábitos que a gente mesmo não entenderia. Então, lá pelas tantas, graças ao melhor sub plot do enredo, Spartacus mata Varro em uma luta. Era para ser uma demonstração, mas eles são escravos, sua vontade não lhes pertence, e assim começa o ponto de virada que vai desencadear o fim.

Agora Spartacus não pode mais abraçar essa vida, pois acabaram de lhe tirar sua ultima felicidade (a amizade é poderosa e incrível para quem tem a sorte de ter grandes amigos) e como uma bomba, ele está de volta a realidade: Não é campeão, não é senhor de nada, nem da sua vida, nem pode garantir nada, mesmo com todo prestígio que tem, ainda é escravo. Mesmo sendo o campeão das arenas, ele se lembra que só está nas arenas porque perdeu tudo o que mais amava, perdeu tudo o que passou a amar, perdeu tudo o que poderia vir a amar, pois aquele vida nunca mais se tornará suportável.

A partir disso nosso herói vai olhar com outros olhos o seus arredores, vai desabraçar a vida que leva e vai descobrir quem tramou a morte da sua esposa, quem é o único culpado por tudo que lhe aconteceu, e não pode ser outro a não ser aquele que tem o direito de vida e morte sobre ele. No entanto, e aqui os roteiristas são fantásticos, não é apenas nele que cresce a insatisfação. Cada um dos gladiadores vai se lembrando ao longo da temporada o que é ser um homem, e de cada um deles é retirada a humanidade, é retirado o pouco que têm, pois suas vidas não mais lhes pertencem, e eles as querem de volta. Como tudo o que têm direito junto.

Qual é a virada final então? Qual é a conclusão que muda tudo? Simples caro amigo: ele percebe por fim que nada vai mudar nunca enquanto não mudarem as condições materiais objetivas. Há sobre ele alguém como poder de vida e morte, alguém que mesmo sem pequeno, mesquinho, comum, na verdade quase um ninguém, sempre será mais do que ele, pois detém algum poder, pois detém poder sobre ele mesmo. Para mudar de vida é necessário que não haja mais um Dominus.

No entanto você conhece algum senhor que abrirá mão por espontânea vontade de todos os seus privilégios? Conhece algum dominador que devolverá tudo o que tomou do dominado por algum acesso de boa vontade? Conhece alguma civilização que simplesmente devolveu suas colônias a seus donos de direito? Alguma classe que cessou sua exploração de outra classe que por que percebeu que explorar pessoas é algo errado? Não, amigo prego, você nunca ouviu falar porque nunca aconteceu. Nem acontecerá.

As pessoas não abrem mão do poder, ainda mais o poder ilimitado. É necessário destruir esse poder, é necessário romper o contrato social que está estabelecido para que se possa transformar o paradigma. Uma nova ordem só irrompe do caos. E esse é, para mim, o grande mito fundador de Spartacus. A luta de classes, a revolução sangrenta, a necessidade de se levar a justiça algo que a justiça estabelecida ainda nem reconhece coo crime. Agora que Spartacus e os outros gladiadores não querem permanecer como gladiadores, eles possuem uma e apenas uma saída: A destruição da casa de Batiatus e assim a destruição dos seus próprios grilhões.

Mas o primeiro grilhão a ser rompido é o que está dentro de sua cabeça, é o grilhão que nós nos auto impomos. Para mim é nesse ponto que Spartacus é mais brilhante e vai além do simples história de brucutu. Em vez Sparatacus sozinho enfrentar tudo e todos e os outros apenas seguirem a oportunidade, não, ele sabe que é necessária a ação em conjunto, que é necessário que outras lideranças se juntem a ele, pois ele entende que não está lutando contra um homem (Batiatus, seu dono) mas contra um sistema, contra uma classe opressora, contra uma casta detendora dos direitos de vida e morte sobre outros. Vidas por dinheiro, o modo Romano de viver.

Então Spartacus tenta reunir os gladiadores todos em volta de sua causa, a causa deles mesmos: A liberdade, a sua humanidade, a sua luta de classes. E só há uma escapatória para que completem sua jornada, para desçam o ultimo arcano do tarô, para que tenham controle sobre suas próprias existências, é necessário retirar a mão que embaralhas as cartas e a distribui marcadas, cada um deles tem que abandonar o enforcado, entender que são tolos para que possam se tornar magos, o arcano que tem a mesa posta, os elementos todos à sua frente e pode escolher que caminho seguir. E só há um caminhoa seguir.

A jornada do herói pt 2 (ou Luke, eu sou Spartacus)

Primeiro peço desculpas pela demoa nas atualizações. As coisas foram se atropelando a acabei tendo que deixar o blog de lado. Tem o tumblr para culpar também, mas não vamos ficar apontando dedos, ok? Vamos só seguir em frente, vamos mergulhar na nossa jornada.

Apesar de ter passado quase um mês desde que escrevi o ultimo post, ainda tenho tudo muito fresco na cabeça (até porque já assisti a Spartacus umas 20 vezes) e sei como continuar, mas quem se esqueceu da uma olhadinha no post abaixo, é rapidinho, depois volte e continuaremos,

E onde paramos? Qual é o primeiro passo na jornada do herói? O que é necessário fazer para que se dê o primeiro ponto da virada e que arcano vem agora?

Paramos aqui, se bem me lembro:

Agora vem o tolo amigos. Aquele que acha que sabe, mas não sabe nada. Agora Spartacus começa a sua jornada, e ela será cheia de coisas grandes e infelizes. Qual o primeiro inimigo do tolo? Qual o grande inimigo da jornada? Ficar parado. Não caminhar, não sair do lugar. Esse é o maior de todos os perigos.
Spartacus começa a sua jornada não querendo caminhar, não vendo motivos para isso, na verdade. Ele perdeu sua aldeia, perdeu sua liberdade, perdeu seu orgulho e mais importante do que tudo isso: perdeu Sura.

Sura é sua mulher. Sura é seu amor. Cara, é um lance tão grande que ele tem os peito de mandar Roma a merda, capotar um general romano e voltar para casa, para sua Sura. É interessante ver que ele não quer a liberdade, não quer vingança, ao menos a princípio, ele quer apenas o bem estar de sua esposa, ele quer apenas o bem estar de seu amor. E não dará um passo em nenhuma outra direção. Ele se recusa a inciar sua jornada, até saber que no fim dela Sura estará lá.

Vamos fazer um acordo? Você me dá dinheiro lutando, eu te dou sua mulher.

MAS uma jornada não sobre chegar, nem sobre partir, uma jornada é sobre o caminhar. Todo motociclista sabe disso. Mas Spartacus não vê a jornada, ele só vê a linha de largada, isso o torna apressado, imprudente e destrói tudo quando ele perde na arena. Sim, terceiro episódio e o nosso herói tá fudido e mal pago, sem dinheiro, sem mulher, sem liberdade, sem nem a vida de gladiador mais. Tolo. É necessário aprender, é necessário se aceitar a jornada para poder cumprí-la. Nas palavras de Quintus Batiatus:

Um homem deve aceitar seu destino, ou ser destruído por ele

Syd Field vai nos lembrar o tempo todo que apesar de um grande roteiro só ter necessariamente 2 grandes pontos de virada, é necessário prepará-lo, é necessário manter o espectador interessado, é necessário manter as reviravoltas acontencendo. E os roteiristas aprederam isso muito bem. Partimos, em 4 episódios, de um guerreiro orgulhoso, quase um general de seu povo, para um escravo semi enlouquecido, penitente, quase desistindo da vida em si. Essa é a primeira transformação pela qual Spartacuts vai passar. Ele ainda é um tolo, ainda não compreendeu o jogo, ainda não aceita jogar, mas as peças se moveram, ele caiu até as lutas ilegais e sanguinárias dos subterrâneos da República (adoro o fato de Roma ainda se chamar república mas ser, de fato, um império).

Uma outra professora minha uma vez explicou que a estrutura de um seriado se parece muito mais com varal do que com uma linha, como são os filmes. Cada episódio seria uma linha completa na vertical, e a temporada ou o seriado em si, uma outra linha horizontal sobre a qual estariam pendurados a linha dramática de cada episódio. Dessa forma cada episódio o herói atravessa sua própria jornada, podendo voltar ao ponto de origem ou seguir em frente, dando mais um passo dentro da grande caminhada. Fez sentido? Esepero que sim.

A um ponto de virada que vem pela sorte, praticamente, quando nosso heróis se encontra em maus lençóies e quase desistente, de tudo. Volta a ser um gladiado, abandona as lutas ilegais e de cara é escolhido para a fazer a luta principal. É mais ou menos como sair da terceira divisão para disputar o mundial, de cara.

E o que acontece? Bem, isso aqui acontece:

Agora ele é campeão da porra toda, tá por cima da carne seca, vai poder recuperar a sua Sura, talvez comprar sua liberdade, certo?

Hmmmm, errado. Agora ele chegou ao meio de sua jornada, e como toda boa história épica, essa aqui também é uma trilogia. Até a parte 3.

A jornada do herói pt 1 (ou eu sou Spartacus)

No primeiro semestre de faculdade, eu fui convidado a ver uma aula da minha coordenadora de curso, uma aula de roteiro com o terceiro semestre, a primeira aula de roteiro de verdade do curso. Acho que a idéia era dar uma mostra das coisas mais bacanas que íamos ver. Algo como: agüentem o que for ruim, por que a parte boa compensa e muito.

Nada mais verdadeiro. Vi poucas aulas tão fluentes, tão bem apresentadas, tão boas. Poucas explodiram a minha cabeça dura tão bem, apesar de ter tido alguns grandes professores.

Explica direito esse lance aí fessora!

Na aula a professora explicou a divisão básica da narrativa épica usando o conceito da Jornada do Herói, do Joseph Campbell, a idéia da divisão do roterio do Syd Field e o seu trabalho de doutorado, que juntava tudo isso ao tarô.

Seja mais didáticos então! O que é a jornada do herói? O que Syd Field fala? Como o tarô entra nessa história?

A jornada do herói é do Joseph Campbell, que é um mitólogo e não um roteirista, consiste na reunião de um monte de mitos do mundo todo que tem narrativas similares, criando assim uma espécie de Narrativa Modelo. Ele deu um entrevista muito boa para Bil Moyers que explica praticamente tudo. Aqui.:)

A idéia é que todo herói parte de uma mesma situação, de um problema que lhe limita e depois de uma jornada em busca das respostas, ele volta senhor de si mesmo e da situação. Por exemplo: Spartacus, que vamos analisar mais abaixo.

Syd Field montou um esqueminha que explica mais ou menos como você deve dividir o seu roteiro cinematográfico para que ele funcione. As coincidências são muito grandes com a jornada do herói, mas o próprio Syd Field adora fazer um diagrama para explicar, segue:

Essa é a divisão de um roteiro clássico.

A idéia é dividir o roteiro em três atos: apresentação, confronto, resolução. O que divide os atos são os pontos de virada, grandes acontecimentos que mudam a história como um todo.

O tarô é um monte de cartas com ilustrações e um nome. Tem um monte de divisões, siginificando cada um estágio da jornada da vida. Eles tem uma ordem clássica, não me lembro por que exatamente. Mas ela propunha o seguinte: se o tarô é uma narrativa de toda a vida, ele é também a narração da jornada do herói.

Agora entraremos no nosso mito, na nossa narrativa clássica, nas nossas cartas de tarô:

Spartacus foi, até onde me consta um trácio, escravo, gladiador e revolucionário que viveu, lutou e morreu em Roma do século I antes da era comum.

Só que esses dados assim jogados não nos apresentam um herói, não nos conta nada verdadeiramente. Apenas um apanhado de fatos históricos que muito poco dialogam com a nossa vida.

Mas foi em cima dessa premissa que a Starzz pegou e transformou isso em um seriado fantástico: Spartacus Blood and Sand! Aqui Spartacus é um trácio que negocia o apoio militar de sua tribo à Roma, é traído por um de seus generais, lidera um motim nas tropas auxiliares e parte de volta para a sua vilapara conter a ameaça que Roma havia permitido atacar-lhes.

O meu nome não é Spartacus, mas ninguém se importa

Entenderam? Aqui o herói da seu primeiro passo, faz sua primeira escolha que vai jogá-lo na jornada que vai torná-lo herói. Ainda não aconteceu a primeira reviravolta, o “turning point” porque começamos sabendo disso, essa é a premissa sobre a qual se constrói o personagem, somos apresentados já a um Spartacus capturado e rumando a sua morte. Se inicia mesmo a jornada a partir do momento que ele sobrevive a sua própria execução e se torna um gladiador, aí passamos da apresentação ao desenvolvimento do personagem e da sua história. Agora Spartacus não é mais um soldado, agora ele é um escravo.

Minha professora comparava isso ao arcano do Enforcardo: um homem de ponta cabeça, amarrado pelos pés. alguém indefeso, incapaz de qualquer ação ou reposta, alguém que é levado pela vida sem nenhum possibilidade de escolha.

A grande sacada do seriado é tornar todos ali 3D (não, não quem nem avatar, 3d que nem vida real). Spartacus é um homem inconformado com sua situação, que se recusa a fazer o jogo da sociedade a sua volta. Oenomaus, o Treinador, é alguém que acredita verdadeiramente nos grandes ideais da vida de gladiador. Crixus também acredita, mas é antes de todo um lutador, que se agarra no seu status de campeão para negar sua situação de escravo. Cada um dos personagens servem para te fazer entender qual era a realidade em que Spartacus está inserido.

A história se desenvolve a partir do olhar do Spartacus, nos identificamos com ele. Batiatus se torna aquele patrão FDP que todo mundo já teve, Oenomaus é aquele gerente pentelho que compra todo o discurso do patrão, que parece que é mais patrão que o patrão mesmo, Crixus é aquele assistente puxa saco que atrapalha muito a sua vida, por que não te deixa tentar nada, porque conhece e sabe tudo o que o chefinho gosta. A gente pode extrapolar isso para toda a vida, mas gosto dessa análise de luta de classes.

É com Spartacus que vamos mergulhar no ATO II, percorrer a jornada, descert todos os arcanos até chegarmos a resolução, a redenção, ao fim do baralho.

Acompanhe, esse é um post em algumas partes que publicarei durante todo o mês de maio, enquanto isso pega esse trailer da primeira temporada:

E agora José? (ou o PS das 9 teses)

Beleza bigode, tu terminou as 9 teses, e agora? Agora acabaram as gracinhas, os spams, fecha o blog, passa a régua?

Não, camarada prego, de maneira alguma. Agora esse blog se dedicará a crônicas, críticas, editoriais e coisas a fim. Porque é sobre isso que se trata esse blog.

As teses nasceram para justamente nortear o tom e o futuro conteúdo da conversa, não para ser, por si só, a conversa. As nove teses inauguram o blog, não são seu único conteúdo. É como ano um: introduz, dá o tom e deixa o bonde andar.

O bonde vai andar, estive ausente por motivos de trampo, muito trampo. Por isso ficou essas duas semanas sem posts por aqui.

MAS o blog não acabou, nem acabará tão cedo. Temos muito o que conversar ainda, e falaremos sobre o que, pregos? Sobre vários assuntos que preenchem o nosso cotidiano, de uma maneira ou de outra, em maior ou menor importância.

Então apertem os cintos, que ainda tem muitas voltas na montanha russa.

Um aviso dos nossos patrocinadores...

As luzes de tungstênio (ou libertação andarilha)

Para quem já voltou a pé da balada, para quem já foi a pé para a balada ou mesmo para quem já viajou longas distâncias, sabe que o caminhar físico leva também ao caminhar mental, sabe que um assunto puxao outro, mesmo dentro da cabeça da gente, ao percorrer a cidade percorremos também o labirintos de nós mesmos.

O Otto sacou tudo, amigos.


Há todo um gênero de filmes que se baseia exclusicamente nessa premissa: Os road movies. A viagem é a mais clássica metáfora para a jornada do heróis (Joseph Campbell, eu te amo). Revoluções nasceram de viagens. Estilos literários nasceram de viagens. Até nações já nasceram de viagens, míticas ou reais. Nada substitui a capacidade deliberativa do que cada passo da sua jornada, cada um deles montando o texto na sua cabeça.

Cada poste é um ponto é uma vírgula, cada esquina um travessão e cada cruzamento um ponto final. Tal e qual Teseu nós vamos desenrolando um novelo de pensamentos conformes nos adentramos no labirinto das ruas, vias e vielas do nosso caminho. elas são, as vezes, o assunto e as vezes funcionam como meros gatilhos de nosso pensamento.

Percorrer as distâncias anestesiado por um volante, um livro, uma revista com certeza ajuda a passar o tempo, ajuda a criar léxico e a compor peças do labirinto que mais tarde a gente pode ir e refazendo, digerindo aos poucos tudo aquilo em mais um caminhada.

Não são poucos os músicos, pintores, escritores que eu já vi declararem que tem suas melhores idéias caminhando, e a maioria deles leva por isso alguma forma da anotar essas idéias: uim gravador, um bloco de papel, um netbook (tempos modernos queridos pregos, tempos modernos), tem inclusive uma marca de material escolar que é famoso por seu bloquinho de anotações justamente partindo dessa premissa.

Mas andar cança, barbudão! Cansa sim, mas veja bem: viver cansa, vida é esforço preguinho lindjo. E pensar também cansa. A única coisa que não cansa, aparentemente, é ser palerma. Mas eu tenho as minhas dúvidas.

Há poucas maneiras de se deixar a mente viajar melhores que fazer uma atividade repetitiva que não exige atenção extrema (eu consigo fazer isso com qualquer atividade, mas acho que isso é um leve toque de TDHD). Esse post foi bolado todo enquanto eu lavava louça e arrumava a minha cozinha. E um pouco também caminhando para casa depois do trampo.

A cidade não pára, a cidade só cresce e você tem duas opções: Caminhar e cantar e seguir a canção. Ou esperar o dia que virá, a canção que virá, a ideia que virá.

Persiga com todas as suas forças pregos, pois mesmo parados no mesmo lugar conseguimos caminhar.

PS: o tungstênio é usado para fabricar o filamento da lâmpada, apesar dos gases que a fazer emitir luz possam variar.

A filosofia [pós] moderna do Sly (ou como eu chorei assistindo Rambo)

Antes de qualquer coisa, assistam o vídeo abaixo. Entrega o final, então tem “spoiler”; mas o filme é de 1982 e sem assistir essa cena toda a nossa conversa vai ser absolutamente sem pé nem cabeça.

Assistiu?Não? Volta e assiste. Pronto, agora a gente pode continuar.

Isso se chama síndrome do stress continuado, no meio militar é conhecido como fadiga de combate e sempre a conheci como Síndrome de Rambo. Isso aí acontece com quase todos os combatentes da linha de frente (exclui-se aqui e quem fica aquartelado e a maior parte dos oficiais), notadamente após a guerra do vietnã. Muitos são os motivos que uma guerra apresenta para nos desestabilizar emocionalmente completamente, mas aqui você encontra um artigo bem mais bacana e mais explicativo do que é, de onde vem e como combater. Leia, vale a pena.
Vamos tentar estabelecer uma linha do tempo: Um jovem é convocado àguerra, uma guerra que ele não escolheu nem existir nem combater, mas ainda sim ele foi enviado para lá. Notem que ele fala ao oficial:

“Você me pediu para ir, eu não pedi a você!”

Uma vez assimilado aos quadros regulares ele é treinado para ser um soldado de infantaria (para quem não sabe, infantaria é quem fica no chão com o fuzil e o c* na mão, enfrentando o exército cara a cara), a partir disso é treinado para entrar num unidade de elite, então todos são enviados para dentro da selva vietnamita, lá eles vão morrendo um a um até sobrar apenas o Rambo, aí ele é dispensado (finalmente, não?).

Agora, voltando para casa, voltando para o país que ele serviu, e a gente pode até discordar desse pensamento, mas para um soldado ele serve ao seu país, a alternativa a isso é pensar que se está dano a vida por nada; assim que pisa no chão do aeroporto manifestantes o xingam e cospem nele, como se ele, individualmente fosse o culpado. Essa é uma grande sacada e que vai ajudar a entender o que acaba por acontecer com nosso querido John.

De volta para casa, veterano de guerra, soldado altamente treinado, o que acontece? Ele fica desempregado e deixa de ser bem vindo em qualquer lugar, restando apenas a opção de fazer bicos aqui e ali, e viver quase como um mendigo, aí ele é preso simplesmente por estar passando por uma cidade e o xerife não ir com a cara dele.

Aí a porca torce o rabo. Muito.

Retomar a linha do tempo é importante para entender a lógica desse personagem. Temos muito pouca informação sobre quem ele era antes de ir para o exército, mas dá para imaginar que ele não tenha uma família muito estruturada, não tenha uma profissão além de soldado e nem um local para voltar; porque qualquer uma dessas coisas o colocaria num local, amparado e auxiliado e não vagando por aí. A escolha por pessoas assim para engrossar fileiras também é fundamental: não tendo nada além disso, o exército se torna seu universo e não tendo ninguém esperando-os em casa, não há quem sentirá falta delas.

A grande sacada do filme para mim é a parte mais simples de sua história, na verdade, o seu ponto de partida: um homem que viu seus amigos morrerem, foi criticado, abandonado não consegue emprego nem de lavador de carros e é atormentado por um dos conflitos armados mais desumanos que se conhece, essa é uma história das mais interessantes para contar, e sua beleza reside em seu horror: Por mais que fosse uma merda matar pessoas, por mais que fosse horrível aquilo, lá ele era alguém, tinha um papel e era reconhecido por isso, era um homem, tinha sua dignidade, aqui, longe do front (que nem existe mais), no meio de pessoas que desaprovam não só o que ele fez, mas que ele é, que desaprovam sua própria existência, esse é um homem que não tem mais nada, nem passado (que lhe é negado), nem presente e nenhuma perspectiva de futuro.

Há quem diga quem em A Metamorfose Kafka criou a perfeita metáfora do homem moderno (ou pós moderno, depende da escola de quem faz a crítica): um homem impotente, transformado em algo sobre o qual não tem controle, isolado, rejeitado pelos seus pares, vivendo de restos até definhar para a morte. Beleza, entendo o que querem dizer, entendo de verdade, mas um cara virando inseto está longe de ter o mesmo poder que um guerreira sem guerra para lutar.

Essa cena final destrói tudo o que a gente viu nas telas durante o filme: aquele não é um homem frio, um homem que não se importa com nada, duro feito pedra e mais mal que o picapau, aquele é um homem atormentado por lembranças que ele não pediu para ter, numa guerra que ele não pediu para existir e perderam por motivos que ele não compreende, nada naquele mundo lhe pertence, ele não é senhor nem de suas ações, nunca foi, e está tentando ser (Alô, Joseph Campbell!), quer, no fundo apenas ficar em paz, apenas descançar, quer apenas esquecer e ser esquecido. Mas não consegue, tanto por incapacidade quanto por falta de oportunidade para isso.

John Rambo é a metáfora de crescer do jovem, é a metáfora do bully na sua escola, do seu chefe escroto, de tudo aquilo que não se importa quem você é, nem importa o que você quer, mas que vai te usar, mastigar e cuspir fora, sem se importar nem um pouco com o local onde você vai cair.

PS: Não concordo com a guerra do vietnã, nem nenhuma outra guerra e sei que há elemento de propagando política dentro do filme, mas tanto um elemento quanto o outro são secundários aqui, estamos conversando sobre a dinâmica social do personagem, não das implicações políticas da obra na qual ele está inserido. Claro que não se pode esquecê-las, mas não é foco da análise aqui.